Serviço ao cliente é fator mais valorizado na compra de seguros

Portugueses e norte-americanos mostram-se mais satisfeitos com as suas seguradoras do que britânicos e os neozelandeses. Em Espanha, consumidores queixam-se de falta de comunicação das companhias. Fonte: Idealista News

Um inquérito junto de dois mil consumidores de seguros de não Vida, em diversos países, mostra que o serviço ao cliente é, para mais de 50% dos inquiridos o fator que mais pesa no momento de comprar um seguro do que, por exemplo, o preço que pagam pelo prémio.

Uma das conclusões do estudo é que a geografia tem influência na perceção que os segurados têm das suas seguradorasEm Portugal e nos EUA, os consumidores mostram-se mais satisfeitos com o tratamento das seguradoras do que os inquiridos no Reino Unido e na Nova Zelândia, comentou Karen Scott, Head of Insight na consultora Research in Finance.

Em Espanha, por exemplo, 95% dos consumidores de seguros queixam-se de falta de comunicação por parte das seguradoras, nomeadamente no acompanhamento de sinistros, e pedem que as companhias utilizem, por exemplo, os canais digitais para serem mais interativas na matéria. Globalmente, 37% dos consumidores consideram a experiência de compra de seguros como “muito boa,” mas a preferência pelo contacto personalizado sobrepõe-se à comunicação por email, página web ou através de chat, indica o relatório.

De facto, 64% dos espanhóis prefere contacto direto com um funcionário no momento de interagir com a seguradora. Para 53% dos inquiridos, o serviço ao cliente é o aspeto mais valorizado durante o processo de compra, seguindo-se “facilidade de compra” (22%) e “ausência de problemas” (12%). Sobre a falta de comunicação por parte das seguradoras, o estudo revela que 14% dos inquiridos, também no mercado espanhol, queixa-se de não receber informação a avisar da renovação da apólice e 1/3 dos respondentes disse não que não recebe notícias da seguradora durante um ano.

O estudo também sugere que as seguradoras aproveitem os recursos baseados em dados de forma mais eficiente. A tecnologia pode ajudar a melhorar canais de distribuição e criar interações que permitem antecipar as preferências dos clientes, nota.

Em relação a novos produtos, como é o caso dos seguros on demand (soluções desenhadas à medida, com coberturas flexíveis que podem ser ativadas ou desativadas conforme necessidade do cliente) que, considera o estudo, trata-se de oportunidade estratégica para o setor, 58% dos consumidores mostram-se interessados e o indicador sobe aos 77% entre os consumidores mais jovens.

Prestação da casa a subir: 3 passos para preparar o orçamento

Inflação alta, custo de vida mais caro e taxas de juro do crédito habitação a subir. Ensinamos como viver melhor neste contexto. Fonte: Idealista News

Quem tem crédito habitação, com taxa variável, beneficiou nos últimos anos de taxas de juro negativas e baixas prestações, que terão permitido aumentar a poupança e ter até um nível de vida mais elevado. Mas esta realidade está a mudar e, além das contas mais altas no supermercado, dos combustíveis mais caros e dos serviços em geral, por efeito da inflação, o valor da prestação da casa já começou a subir e tudo indica que irá aumentar ainda mais, de forma sustancial, causando um impacto no orçamento mensal. Para te ajudar a viver melhor neste contexto, apresentamos-te um conjunto de dicas de especialistas em finanças pessoais, a ter em conta.

O banco central europeu anunciou há dias que a taxa de juro de referência terá uma subida de 25 pontos em julho, contudo é importante perceber que a taxa de juro que está indexada ao crédito à habitação é a Euribor que já está em terreno positivo desde abril de 2022 (Euribor a 12 meses).

“Está tudo a ficar mais caro, com a inflação a disparar, e com a prestação da casa numa tendência de subida, é importante saber o que fazer para preparar o orçamento familiar para esta realidade”, começam por avisar as especialistas do Contas €m Dia, neste artigo preparado para o idealista/news.

taxas de juro mais altas
Foto de Nataliya Vaitkevich @Pexels

Como preparar o orçamento familiar para a subida das taxas de juro

  • Taxa variável ou taxa fixa? O melhor é prevenir

O primeiro passo é prevenção. Se tens crédito habitação com taxa de juro variável, indexada à Euribor, tens de parar para olhar para as tuas contas. Sim, perceber como está agora o teu orçamento familiar para perceber na pratica como, quando e quanto é que isso pode alterar as tuas contas. Se tens taxa fixa a tua prestação permanecerá inalterada.

As prestações do crédito habitação não vão subir para todos da mesma forma. Vai depender do capital que tens em dívida, o prazo, o spread que tens e qual o indexante (3, 6 ou 12 meses) que está associado ao empréstimo da casa.

  • Saca da calculadora e começa a fazer contas à vida

Avaliar é o segundo passo. Faz as contas de quanto podes ficar a pagar a mais e de como seriam os teus meses nesses cenários!

Cénario de exemplo: Uma família com um crédito habitação de 150.000 euros em dívida, com um spread de 1.25% e que falta aproximadamente 25 anos para terminar de pagar o crédito atualmente está com uma prestação a rondar os 500 euros e caso a Euribor atinja 1% a prestação será aproximadamente 650 euros. Um aumento de 150 euros mensais! Imagina como poderá ser se a taxa subir para 2% ou 3%.

inflação alta
Foto de Mikhail Nilov @Pexels

O valor da prestação para quem tem crédito habitação com taxa indexada sofrerá sempre alterações na periodicidade correspondente. Cerca de 25% das famílias escolheram Euribor a 12 meses como indexante, o que quer dizer que a prestação será atualizada a cada 12 meses (da data da escritura) e recalculada conforme o valor que a euribor esteja naquela data. O mesmo acontece para quem tem uma taxa variável indexada à Euribor a seis meses (historicamente a mais utilizada em Portugal e que depois de sete anos em terreno positivo, está positiva há mais de uma semana), ou a Euribor a três meses. 

  • Ser consciente de todos (mas todos) os gastos habituais e extraordinários da família e traçar limites

Depois de perceber quanto e como esta subida pode mudar nas contas do orçamento chegou a hora de decidir o que fazer. E esse é o terceiro passo para enfrentar a subida da taxa de juro. Deixa de fazer contabilidade a olhometro e começa a ver exatamente para onde está a ir o teu dinheiro mês após mês. Deves criar um limite de gastos para todas as tuas despesas já sabendo que em tempos de inflação alta praticamente todas as despesas se tornam variáveis. Deves questionar-te: “onde é que vou gastar menos”? e “como vou conseguir poupar?”. 

Plano de ataque para ter as contas organizadas e enfrentar imprevistos como a subida das taxas de juro

crédito habitação mais caro
Foto de RODNAE Productions @Pexels

O mais importante é pores mãos à obra para que este aumento mexa o menos possível com as tuas contas! As especialistas deixam algumas sugestões práticas para enfrentar a subida da prestação da casa:

  1. Revêr as condições do crédito habitação e dos seguros associados ao empréstimo bancário. Às vezes mudar de banco pode ser uma agradável surpresa a nível de poupança.
  2. Ter um complemento ao ordenado. Os trabalhadores com ordenado fixo são fortemente penalizados em momentos de aumento de preços. Não é fácil negociar um aumento para fazer ajuste real ao custo de vida. Daí ter um part-time ou hobbie que traga rendimentos pode ser aquele balão de oxigénio.
  3. Reduzir despesas supérfluas. Um estilo de vida mais caro, se não for acompanhado por um aumento semelhante dos rendimentos, pode ser o inicio de uma bola de neve, pois se não tens forma de aumentar os rendimentos, terás de reduzir as tuas despesas.
  4. Caso tenhas poupanças (para além do fundo de emergência) com rentabilidades muito baixas podes ponderar em amortizar o teu crédito habitação para pagares menos juros.
orçamento familiar
Foto de Polina Zimmerman @Pexels

crédito habitação é uma responsabilidade que teremos de acompanhar ao longo dos 30/40 anos e é importante perceber que os valores da prestação da casa podem alterar significativamente, tal como também têm vindo a alertar os especialistas do idealista/créditohabitação.

É importante ter o objetivo de ter as finanças pessoais organizadas de forma que estas alterações na economia tenham o menor impacto possível na economia familiar. Isto porque no final das contas queremos todos ter sempre as Contas €m Dia.

Ir de férias em segurança: as novas tendências e os riscos do futuro

A análise dos riscos, da assistência e das novas tendências em contexto de férias será o tema principal desta webtalk ECOseguros, que pode acompanhar no dia 23 de junho, pelas 15h. Fonte: ECOseguros

que é que os viajantes mais prezam enquanto segurança? A que novos (e habituais) riscos estão sujeitos? E qual o papel dos seguradores e das empresas turísticas na mitigação destes riscos?

Estas são algumas das questões que estarão a debate na webtalk “Ir de férias em segurança: as novas tendências e os riscos do futuro”, organizada pelo ECOseguros em parceria com a Europ Assistance, e que poderá acompanhar no próximo dia 23 de junho, pelas 15h, no site do ECOseguros e Facebook do ECO.PUBLICIDADE

Registe-se na webtalk “Ir de férias em segurança: as novas tendências e os riscos do futuro”

Partindo dos resultados da 21ª edição do Holiday Barometer, um estudo internacional realizado pela IPSOS e a Europ Assistance, estará em análise o panorama dos riscos, da assistência e dos atuais desafios em contexto de férias, quer do ponto de vista das companhias de seguros, dos players do setor do turismo, e também dos próprios segurados.

O debate será animado pela participação João Horta e Costa, Diretor Comercial da Europ Assistance Portugal, Gonçalo Rebelo de Almeida, Administrador do Grupo Vila Galé e Rui Guerreiro, Head of Affinity, SME & Digital da Aon, após uma apresentação do estudo por Maria João Matos, diretora de desenvolvimento de negócio da Europ Assistance Portugal.

Registe-se aqui e acompanhe a webtalk “Ir de férias em segurança: as novas tendências e os riscos do futuro”.

Distrate: o que é este documento?

O distrate é um documento emitido pelo banco que comprova o cancelamento de hipoteca. Temos os detalhes. Fonte: Idealista News

distrate é o documento emitido pelo Banco e que comprova que toda a dívida contraída com o mesmo se encontra saldada e, por isso, não existe lugar a exerção de qualquer direito sobre o imóvel. É, portanto, a autorização do Banco para o cancelamento de hipoteca.

Quando deve ser pedido o Distrate?

distrate de hipoteca pode ser pedido nas seguintes situações:

  • Venda de Imóvel: Uma vez que irás liquidar a tua dívida antecipadamente (ao venderes o teu imóvel, a tua dívida para com o Banco será paga)
  • Transferência de Crédito Habitação: Liquidação antecipada da tua dívida junto desse Banco (para que seja contraída noutro Banco aquando da transferência)
  • Liquidação total antecipada do empréstimo de crédito habitação que deu origem à hipoteca sobre o teu imóvel
  • Pagamento na totalidade do empréstimo de crédito habitação no final do seu prazo

Distrate: qual o preço deste documento?

De acordo com a Lei nº 57/2020, os bancos não podem cobrar qualquer montante pelo distrate desde Janeiro 2021. Anteriormente, o custo era aproximadamente 200€.

Como solicitar o Distrate e qual o prazo?

Deverás deslocar-te junto do teu Banco para solicitares a emissão deste documento com 10 dias de antecedência da escritura.

O que é o distrate?
Pixabay

Para tal, deves fazer-te acompanhar da caderneta predial atualizada bem como de data, hora e local da escritura, uma vez que irá estar presente o procurador do Banco.

Protocolo APB

Protocolo APB, (Associação Portuguesa dos Bancos) é um acordo entre quase todos os bancos que visa simplificar o processo de cancelamento de hipotecas. Por se tratar de um processo entre bancos, apenas pode ser utilizado se a hipoteca estiver constituída a favor de Banco diferente daquele que irá financiar a aquisição. 

Ao ser possível optar pelo cancelamento ao abrigo do Protocolo APB:

  • O vendedor tem de se deslocar oa banco onde se encontra contituída a hipoteca e solicitar o Termo de Autorização, assinado e carimbado por esse banco. 
  • O Termo de Autorização deve ser entregue pelo vendedor ao comprador, que deve por sua vez entregá-lo no seu banco (que irá financiar a aquisição).
  • Caso se trate de uma Transferência de Crédito, deverá ser a mesma pessoa a contactar ambos os bancos. 
  • Após a entrega do Termo de Autorização, o banco financiador solicitará ao banco no qual está constituída a hipoteca, o seu cancelamento que tem efeito a partir da data em que a escritura for acordada.
Protocolo APB
Pixabay

Este protocolo tem como objetivo a agilização de processos, nomeadamente na transferência de hipoteca, no entanto há notas importantes a ter em conta:

  • A data de formalização do ato que resulta deste processo é meramente indicativa, contrariamente à indicada no distrate.
  • O prazo de 10 dias úteis de antecedência tem de ser respeitado, para o pedido SWIFT entre bancos.
  • Existem alguns bancos que aceitam o pedido de cancelamento de hipoteca ao abrigo deste protocolo, no entanto nem todos os bancos aderiram ao Protocolo APB. 

O que acontece quando não se confirma o IRS automático?

Explicamos o que acontece quando não se confirma o IRS automático nem se entrega a declaração normal dentro do prazo. Fonte: Idealista News

Os contribuintes têm até 30 de junho para entregar a declaração anual de IRS ao Fisco, e o IRS automático é, para muitas pessoas, uma opção. Trata-se de uma declaração automática de rendimentos pré-preenchida pela Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) que pode ou não ser confirmada. Se o contribuinte não confirmar dentro do prazo (1 de abril a 30 de junho) a declaração provisória nem entregar através da internet uma declaração modelo 3, a AT converte-a automaticamente em declaração definitiva. Tens dúvidas? Explicamos tudo sobre o IRS automático.

Quem pode beneficiar do IRS automático?

Podem beneficiar da declaração automática de rendimentos – IRS automático – os contribuintes que em 2021 reúnam, cumulativamente, as seguintes condições:

  • Recebam rendimentos de trabalho dependente (categoria A) , com exclusão das gratificações não atribuídas pela entidade patronal [alínea g) do n.º 3 do artigo 2.º do Código do IRS]; e/ou
  • Recebam rendimentos de pensões (categoria H), com exclusão dos rendimentos de pensões de alimentos;
declaração automática de rendimentos
Pexels

Recebam rendimentos de prestações de serviços (categoria B), desde que também se verifiquem, em conjunto, as seguintes condições:

  1. Estejam abrangidos pelo regime simplificado de tributação (artigo 31.º do Código do IRS);
  2. Estejam inscritos na base de dados da AT a 31.12.2021 para o exercício, exclusivamente, de atividades constantes da Tabela de Atividades1 a que se refere o artigo 151.º do Código do IRS, com exceção da atividade com o código 1519 «Outros prestadores de serviços»;
  3. Emitam, exclusivamente, no Portal das Finanças, as correspondentes faturas, faturas-recibo e recibos no Sistema de Recibos Eletrónicos – SIRE [alínea a) do n.º 1 do artigo 115.º do Código do IRS];
  4. Recebam rendimentos tributados por taxas liberatórias (art.º 71.º do Código do IRS), mas que não optem pelo seu englobamento;
  5. Obtenham rendimentos apenas em Portugal;
  6. Sejam residentes em Portugal durante todo o ano;
  7. Não detenham o estatuto de Residente Não Habitual;
  8. Não usufruam de benefícios fiscais, com exceção dos benefícios da dedução à coleta do IRS de valores aplicados em planos de poupança reforma – PPR (capítulo II do Estatuto dos Benefícios Fiscais-EBF), dos donativos (regime fiscal do mecenato, capítulo X do EBF) e desde que não tenham dívidas em 31.12.2021 ainda por regularizar;
  9. Não tenham pago pensões de alimentos;
  10. Não tenham direito a deduções relativas a ascendentes que vivam em comunhão de habitação com o sujeito passivo;
  11. Não tenham de declarar valores de benefícios fiscais que usufruíram e que agora têm de repor;

E não tenham deduções por:

  • Pessoas com deficiência;
  • Dupla tributação internacional;
  • Adicional ao imposto municipal sobre imóveis (AIMI).

O que acontece quando confirmo a declaração automática do IRS?

Com a confirmação a declaração automática do IRS considera-se:

  • Entregue pelo contribuinte;
  • Que a liquidação provisória se converte em definitiva;
  • Que os contribuintes ficam, desde logo, notificados da(s) respetiva(s) liquidação(ões) quando não haja lugar ao pagamento de imposto;
  • Que serão notificados quando haja imposto a pagar.

declaração automática do IRS não dispensa os contribuintes da obrigação de apresentarem, quando solicitado pela AT, os documentos comprovativos dos rendimentos recebidos e de outros factos ou situações relevantes mencionadas na declaração

IRS 2022
Pexels

O que acontece quando não se confirma a declaração provisória?

Se não confirmar dentro do prazo (1 de abril a 30 de junho) a declaração provisória nem entregar através da internet uma declaração modelo 3, e não esteja dispensado desta entrega, no final daquele prazo verifica-se o seguinte:

  • A declaração provisória converte-se em declaração definitiva e como entregue pelo contribuinte para todos os efeitos;
  • Os contribuintes casados ou unidos de facto serão tributados pelo regime de tributação separada;
  • A liquidação provisória converte-se em liquidação definitiva, não havendo lugar a audição prévia do contribuinte;
  • Na página pessoal do contribuinte serão disponibilizados no portal das Finanças os elementos informativos que serviram de base àquela liquidação.
entregar IRS
Pexels

Os contribuintes, nesta situação, podem ainda apresentar uma declaração de substituição nos 30 dias seguintes à liquidação, sem qualquer penalidade.

O que fazer se os elementos constantes da declaração provisória não correspondam à situação tributária do agregado?

Caso os dados da declaração provisória do IRS não correspondam à tua situação tributária, designadamente à tua situação familiar em 31.12.2021, deves entregar uma declaração do IRS no site do portal das Finanças seguindo os passos: Entregar Declaração > IRS > Preencher.

O que fazer em caso de confirmação indevida da declaração automática de rendimentos?

Se confirmares indevidamente a declaração automática de rendimentos do IRS, deverás entregar uma declaração de rendimentos modelo 3 designada de substituição através do Portal das Finanças, no prazo fixado – 1 de abril a 30 de junho.

Não estou abrangido pelo IRS automático, o que devo fazer?

Se não estás abrangido pelo IRS automático e também não estás dispensado da entrega da declaração anual, de 1 de abril a 30 de junho deves, através do Portal das Finanças, submeter uma declaração modelo 3 seguindo os passos: Entregar Declaração > IRS > Preencher.

declaração de IRS
Pexels
Definições de Cookies

A EZATA pode utilizar cookies para memorizar os seus dados de início de sessão, recolher estatísticas para otimizar a funcionalidade do site e para realizar ações de marketing com base nos seus interesses.


Estes cookies são necessários para permitir a funcionalidade principal do site e são ativados automaticamente quando utiliza este site.
Estes cookies são necessários para permitir a funcionalidade principal do site e são ativados automaticamente quando utiliza este site.
Estes cookies são necessários para permitir a funcionalidade principal do site e são ativados automaticamente quando utiliza este site.

Cookies Necessários Permitem personalizar as ofertas comerciais que lhe são apresentadas, direcionando-as para os seus interesses. Podem ser cookies próprios ou de terceiros. Alertamos que, mesmo não aceitando estes cookies, irá receber ofertas comerciais, mas sem corresponderem às suas preferências.

Cookies Funcionais Oferecem uma experiência mais personalizada e completa, permitem guardar preferências, mostrar-lhe conteúdos relevantes para o seu gosto e enviar-lhe os alertas que tenha solicitado.

Cookies Publicitários Permitem-lhe estar em contacto com a sua rede social, partilhar conteúdos, enviar e divulgar comentários.