Crédito habitação: o risco oculto das taxas fixas para os bancos

Famílias estão mais curiosas pelas taxas fixas e mistas do empréstimo habitação. Mas estes juros têm riscos para os bancos. Quais? Fonte: Idealista News

Hoje, a Euribor está a disparar para todos os prazos, deixando em alerta as famílias que têm créditos habitação de taxa de juro variável, já que as prestações da casa vão acabar por ser atualizadas em função da subida da taxa contratada – a 3,6 ou 12 meses. E dada a instabilidade do mercado financeiro, há cada vez mais famílias a olharem para a taxa fixa do crédito habitação, porque aqui a prestação da casa não mexe. Mas se a contratação de juros fixos aumentar, poderá gerar riscos para a solvabilidade dos bancos e despoletar uma nova crise financeira. Explicamos porquê.

Em Portugal, a maioria dos empréstimos da casa são de taxa variável. E há um motivo principal que explica a adoção em massa pelas taxas de juro variáveis: são mais baixas que as taxas fixas. Além disso, até ao início de 2022 a Euribor estava negativa, dando descontos nos spreads dos bancos (isto é, a margem financeira das instituições pelo empréstimo do dinheiro).

Mas com a inflação a subir devido à guerra da Ucrânia e as taxas Euribor a disparar, as taxas de juro variáveis dos créditos habitação passaram a ser sinónimo de instabilidade e imprevisibilidade. E, neste contexto, “há famílias muito mais sensíveis ao tema da taxa mista/fixa e que nos questionam por ofertas desse tipo de produto”, partilha Miguel Cabrita, responsável pelo idealista/créditohabitação em Portugal.

E esta opção poderá ser mais adequada em que casos? “Para as famílias que têm o orçamento mais reduzido é aconselhável avaliar bem o cenário de taxa fixa ou mista mesmo que paguem mais numa primeira fase, pois em caso de subida acentuada da Euribor podem ser apanhadas desprevenidas”, explica o responsável em entrevista ao idealista/news. Para os outros casos, Miguel Cabrita indica que as famílias devem decidir “se querem estar expostos ou não à volatilidade da Euribor e se o preço mais alto a pagar no imediato pela taxa fixa se justifica ou não”. Hoje, também os bancos apontam a taxa fixa do crédito habitação como refúgio financeiro para as famílias.

Ao fixar a taxa de juro, a prestação da casa não mexe de início ao fim do empréstimo. Mas as taxas fixas também estão a subir neste contexto, porque os bancos acabam por adequar a oferta ao preço do dinheiro. A oferta taxa de juro fixa a 30 anos agora ronda os 2%, enquanto no início de 2021 era inferior a 1,5%.

Vantagens de fixas os juros do empréstimo da casa
Pexels

Qual é o perigo das taxas fixa no crédito habitação para os bancos?

Em Portugal, os créditos habitação de taxa fixa têm um peso pequeno face à totalidade dos empréstimos da casa. Mas, neste contexto de instabilidade, o número de hipotecas de taxa fixa poderá aumentar. A questão é que os bancos ao suportarem uma grande fatia de créditos de taxa fixa poderão ficar em risco.

“Os bancos comerciais ao aceitaram este modelo e aumentarem o peso dos créditos habitação de taxa fixa no seu balanço, (…) a gestão do risco deste tipo de taxa necessitaria de, pelo menos em parte, da contratação dos swaps necessários converter a taxa fixa em taxa variável”, explica Miguel Córdoba, professor de economia e finanças há 33 anos, num artigo de opinião publicado pelo idealista/news Espanha, notando que os empréstimos da casa são responsabilidades de longo prazo quer para os titulares do crédito quer para os bancos.

Os créditos habitação de taxa fixa dão segurança às famílias, mas o “problema” é que os mesmos representam “um risco para os bancos que os concedem e para os livros de derivados dos bancos que aceitaram a contratação de swaps de taxas de juro”, explica ainda o professor. “Se este fenómeno afetar apenas uma pequena parte do balanço, o risco estará controlado”, refere. Mas se chegarmos a uma situação em que um dos principais ativos da banca, os créditos habitação, são de taxa fixa poderá haver riscos a considerar, alerta, explicando que em Espanha a contratação de hipotecas de taxa fixa passou de 2% em 2008 para representar mais de 70% em 2022.

Mas afinal o que é a taxa de juro swap? Segundo o Banco de Portugal, “é uma taxa de médio/longo prazo para diferentes prazos e, por conseguinte, com um valor para cada um dos respetivos prazos de referência, designadamente, de 1 a 10 anos, 12, 15, 20, 25 e 30 anos)”. Esta é a taxa de juro fixa de referência do mercado interbancário, divulgada diariamente pela ISDA (International Swaps and Derivatives Association).

Embora os créditos de taxa fixa deem estabilidade às famílias, poderão ser maus para os bancos. Isto “se o Governo tiver de socorrer os bancos que assumem o risco de taxa de juros e, no final, tivessem que ser limpos com dinheiro público”, explica Miguel Córdoba. É preciso não esquecer os erros do passado para compreender o que poderá acontecer. Regressando à crise financeira de 2008, recorde-se que Tesouro norte-americano teve que injetar 80 bilhões de dólares para salvar da falência a principal seguradora do mundo, a North American American International Group (AIG), e ajudar todas as entidades financeiras que cobriram os seus créditos habitação de alto risco com ‘credit default swaps’ (CDS), derivativos de crédito emitidos pela AIG.

“Esta mesma situação poderá ocorrer com os ‘interest rate swaps‘ (IRS) a longo prazo, pelo que os grandes bancos que aceitaram a contrapartida destes IRS poderão ter problemas de solvabilidade num futuro próximo. E “se não fossem resgatados, o problema poderá expandir-se como uma mancha de óleo entre muitos dos bancos que acreditavam ter coberto o risco das taxas de juro de seu balanço”, afirma ainda o professor de economia espanhol.

Também a subida das taxas de juro diretoras em 50 pontos base pelo Banco Central Europeu poderá mexer com o custo dos swaps. “É preciso ter em conta que a previsível subida dos juros para conter a inflação tornará os ‘swaps’ notavelmente mais caros e supõe liquidações de diferenças muito onerosas para os bancos que assumiram esse risco de contrapartida dos empréstimos habitação de taxa fixa”, acrescenta Miguel Córdoba.

Crédito habitação de taxa fixa
Pexels

Qual é a solução para reduzir os riscos da taxa fixa dos créditos habitação?

“A solução passaria por estabelecer um coeficiente específico para cobrir esse risco de contraparte no âmbito do Mecanismo Único Europeu de Supervisão (MUS). Seria necessário fixar o nível máximo de exposição ao risco de contraparte para créditos habitação de taxa fixa e, em seguida, estabelecer uma cobertura de capital adicional de 100% para todo o volume de excesso acima desse nível máximo, de modo a que os bancos comerciais estejam cobertos do possível ‘default’ dos seus bancos de contraparte na contratação de derivados”, refere o professor.

“Qualquer outra abordagem significaria uma exposição desnecessária das finanças do Estado e mesmo das finanças europeias, a um risco de contraparte que poderia levar a um buraco financeiro que, após as sucessivas crises que vivemos, poderia acabar com muitas instituições financeiras e, o que é mais importante, com a sólida reputação da banca europeia”, alerta ainda.

O professor de economia e finanças acredita que a prevenção é essencial, embora admita que isso significaria “mais uma reviravolta nas exigências de capital do sistema bancário e que poderia afetar as suas demonstrações de resultados”. Mas, neste momento, o mais importante é “preservar nosso sistema financeiro e evitar o escândalo (…) ocorrido há uma década”, conclui.

Crédito Habitação Jovem: Cuidados e dicas para tomar a melhor decisão

Pensa em sair da casa dos pais e procura a melhor solução? Conheça tudo sobre o Crédito Habitação Jovem. Fonte: SUPERCASA

Atualmente as rendas de casas estão extremamente elevadas, a compra de casa por vezes é a melhor solução, para isto é melhor conhecer um pouco como funciona o Crédito Habitação Jovem, e escolher a opção mais adequada. 
Crédito Habitação Jovem: O crédito habitação é financiado por bancos tendo por base a garantia de um ou mais imóveis. Todavia tenha em atenção as estratégias de marketing, usadas pois podem não ser a melhor escolha. O crédito habitação para jovens está sob um nível de risco elevado, embora a prestação mensal possa ter valores mais baixos, ou seja, se o seu salário for baixo, irá ter um impacto superior na taxa de esforço e limitará o custo máximo a financiar. Outro dos fatores que infelizmente é um problema transversal à nossa sociedade é a precariedade, que cria uma barreira aos contratos de efetividade e proliferação dos recibos verdes. 
O principal benefício que pode retirar desta experiência é que o crédito habitação para jovens apresenta prazos mais alargados. 
Comprar ou arrendar? Muito provavelmente está no início da sua carreira profissional e a nível financeiro ainda é instável. Por isso, a procura por arrendamento pode ser uma opção, pois apresenta vantagens como a flexibilidade. Visto que está no começo da sua vida profissional, podem surgir novas oportunidades em diferentes zonas. Contudo, atualmente o mercado de arrendamento é precário, as rendas são demasiado elevadas e, juntando isso às restantes despesas, pode exigir algum esforço monetário.
Por outro lado, comprar casa também é uma solução, se assim o decidir.Se enveredar por este caminho, a probabilidade de recorrer a um crédito habitação é elevada, e isso irá exigir de si capitais próprios. As entidades financeiras que lhe atribuem o crédito não o concedem na sua totalidade, sendo necessário estar disposto a suportar os encargos. Em todo o caso tenha em consideração 15% do valor da aquisição para:

  • IMT – Quando opta por comprar uma casa tem de cumprir com o pagamento do imposto municipal sobre transações ao Estado;
  • Entrada Inicial – Se procurar taxas de juro reduzidas terá de investir mais um pouco. Porém, normalmente os bancos permitem um financiamento de 90% do valor da aquisição ou avaliação. 
  • Escritura – Avaliação do imóvel, engloba também os custos de registo e notariado. 

Conhecimento da sua disponibilidade financeira: Se optar por comprar casa, uma das primeiras tarefas a fazer é ter em conta a sua disponibilidade financeira, saber quanto pode investir, definindo limites de valor máximo que pode pagar. Possuir conhecimento sobre a taxa de esforço e calcular o valor de financiamento é fundamental, e pode até recorrer a uma pré-aprovação do seu crédito habitação.
Fiador pode ser necessário:Neste processo direcionado mais aos jovens é provável que tenha de identificar um fiador no processo, para que, em caso de falta de pagamento de alguma prestação, o fiador assuma o respetivo encargo.

Multicare promove saúde mental

A seguradora de saúde do grupo Fidelidade associa-se a espetáculo do humorista António Raminhos na promoção da saúde mental para destacar a sua cobertura inovadora nesta área. Fonte: ECOSeguros

AMulticare, seguradora de saúde do grupo Fidelidade, vai ser a principal patrocinadora do espetáculo de António Raminhos ‘Não sou eu…é a minha cabeça’ que vai percorrer o país de setembro a novembro e no qual o humorista irá partilhar com o público a sua experiência de vida e os problemas relacionados com a saúde mental, numa abordagem temperada pela leveza do humor.

A associação ao humorista tem como objetivo chamar a atenção para a saúde mental e insere-se no âmbito da cobertura abrangente disponibilizada pela seguradora tendo por objetivo a prevenção e tratamento da doença de foro psiquiátrico e dirigida a clientes da oferta standard com capital de ambulatório.

“Com a associação ao António Raminhos, a Multicare pretende desmistificar alguns dogmas ou preconceitos associados às doenças de foro psiquiátrico considerando o seu impacto junto da população. Portugal é o 5º país da União Europeia com maior prevalência de doenças mentais, considerando que cerca de 20% da população portuguesa tem uma doença mental neste momento e 50% já teve ou terá uma doença mental durante a vida”, refere uma nota da seguradora.

A cobertura de saúde mental da Multicare, inovadora no mercado português, assenta em dois pilares. O primeiro está relacionado com a prevenção e tem em vista a adoção de um estilo de vida saudável, domínio em que a seguradora conta com o programa Vitality, que implica um sistema de recompensas. O segundo pilar corresponde ao tratamento, procurando a seguradora, face a uma patologia instalada, dar resposta terapêutica a vários níveis, abrangendo consultas de psicologia, psiquiatria e sessões de psicoterapia, contando com a inclusão da cobertura de internamento psiquiátrico nas suas apólices. Esta proteção é uma das especialidades disponíveis na medicina online da Multicare.

A Multicare, a seguradora de saúde do grupo Fidelidade, conta com mais de um milhão de clientes, garantindo a maior rede privada de prestadores de saúde no país. Esta abarca 88 hospitais (incluindo internamento) e 2.500 clínicas (em regime ambulatório), bem como uma rede exclusiva com mais de 700 prestadores em países como Espanha, Angola, Moçambique e Cabo Verde.

A Fidelidade reforçou, em 2021, a liderança do setor segurador em Portugal, apresentando um crescimento de 44% na produção, para 3,88 mil milhões de euros e um reforço na quota de mercado, que passou para 29,1% do total.

Euribor a subir e prestação da casa a crescer: como estar protegido?

Inflação, taxas de juro, Euribor, prestação da casa. Tudo está a subir. Como estar protegido? Toma nota destes conselhos. Fonte: Idealista News

Os bancos têm mostrado disponibilidade para financiar a compra de casa, mas o cenário atual de alta inflação poderá ter impacto também na concessão de crédito habitação, visto que os juros estão a aumentar e a fazer disparar as taxas Euribor para terreno positivo, o que fará com que a prestação da casa também suba. Parece ser hora, posto isto, de estar protegido para eventuais dissabores que conduzam a incumprimentos com o banco. Explicamos como no artigo desta semana da Deco Alerta.

A rubrica semanal Deco Alerta é assegurada pela Deco – Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor* para o idealista/news e destina-se a todos os consumidores em Portugal.

Já não estamos num cenário de probabilidades! A Euribor está mesmo a subir. Creio que o nosso crédito habitação tem taxa de juro variável indexada à Euribor, como podemos enfrentar esta enorme dificuldade? O que nos aconselha a Deco?

Até há pouco tempo o quadro macroeconómico era de manutenção de taxas de juro baixas, com inflação baixa. Agora, como bem salientas, o cenário alterou-se face à pressão inflacionista existente. A Euribor voltou a terreno positivo.

A maioria dos empréstimos à habitação em Portugal, tal como o teu caso, tem taxa de juro variável indexada à Euribor, pelo que essa prestação irá subir para vós e para muitas famílias. Portanto, e desde já, deverás avaliar o impacto da subida no orçamento familiar.

Pedir dinheiro emprestado ao banco para comprar casa
Foto de Karolina Grabowska

O que podes fazer para te proteger da subida da Euribor?

  1. Começa por confirmar no extrato mensal que recebes do banco se o vosso crédito habitação tem taxa de juro variável indexada à Euribor. A taxa de juro do crédito habitação, a TAEG (Taxa Anual Efetiva Global), resulta do somatório da Euribor (a 3, 6 ou 12 meses) e do spread (lucro do banco). Consulta o mercado e verifica qual o spread que está a ser praticado. Se tiveres um spread elevado negoceia com o banco para o tentares baixar.
  2. Calcula a taxa de esforço, ou seja, o peso dos créditos no vosso rendimento líquido. Deverá ser preferencialmente inferior a 35%. Se ultrapassar, pode ser um sinal de alerta e deves tentar renegociar os vossos créditos.
  3. Confirma quantos anos falta para acabar de pagar o crédito habitação. Se faltar pouco tempo pode não valer a pena fazer alterações.
  4. Faz uma pesquisa de mercado, pede simulações a outros bancos e compara. Solicita sempre a entrega da FINE – Ficha de Informação Normalizada e compara a TAEG e o MTIC – Montante Total Imputado ao Consumidor. Quanto mais baixos forem, menos pagarás.
  5. maturidade dos empréstimos também é importante, pois quanto maior for o prazo mais baixa será a prestação. Mas lembra-te que o Banco de Portugal aponta para um prazo máximo de 30 anos para os consumidores com idade superior a 30.
  6. Transferir o crédito habitação para outro banco pode trazer custos, mas poderá valer o esforço se negociares com o banco a assunção, pelo menos parcial, desses custos, a que alguns estão abertos para conseguir captar clientes.
  7. Prepara o quanto antes um fundo de reserva que vos permita acomodar esta subida da Euribor, sem percalços. Caso tenham algumas poupanças (ou um PPR) equaciona a possibilidade de efetuarem uma amortização parcial do empréstimo, embora tenha custos associados (exceto numa situação de desemprego ou de deslocação por razões profissionais). 
  8. Se tiveres outros créditos e a subida da Euribor colocar risco de incumprimento, tenta antecipadamente renegociar os vossos empréstimos com os credores e promover uma solução satisfatória conjuntamente, o que está aliás previsto na lei.

IRS 2022: como evitar pagar coimas que podem ir até aos 3.750 euros

Prazo limite para entregar o IRS é o próximo dia 30 de junho. Apressa-te a enviar a declaração de IRS para evitar pagar multas. Fonte: Idealista News

Já faltam poucos dias para terminar o prazo de entrega do IRS de 2022. Os contribuintes podem submeter a declaração até ao próximo dia 30 de junho. E é importante ter em atenção este prazo. Isto porque quem se atrasar a entregar ou a corrigir eventuais erros que a declaração de IRS possa conter, arrisca-te a pagar multas que podem chegar mesmo aos 3.750 euros.

A campanha de entrega do IRS 2022 começou no passado dia 1 de abril e estende-se até ao dia 30 de junho. E este prazo limite de entrega do antigo modelo 3 é especialmente importante para quem não tem IRS automático. Isto porque quem está abrangido por esta modalidade, mesmo se nada fizer, verá a sua declaração submetida de forma automática no último dia deste mês.

Quem não tiver abrangido pelo IRS automático e tiver de preencher a declaração já não terá a mesma sorte. Excedido o prazo legal de submissão do IRS no Portal das Finanças, os contribuintes arriscam-se a pagar coimas que podem chegar aos 3.750 euros, escreve o ECO.

Mas o valor da multa pode ser atenuado se o contribuinte submeter a declaração de IRS por iniciativa própria, tendo em conta o atraso e o grau de culpa, refere a mesma publicação:

  • Entregar IRS até um mês do prazo limite: contribuinte poderá pagar no mínimo 25 euros;
  • Entregar IRS passado mais de um mês do prazo limite: contribuinte pode pagar no mínimo 37,50 euros e no máximo 112,5 euros.
Coimas no IRS
Pexels

Erros no IRS: é possível enviar declaração de substituição

Se detetares erros no IRS, fica a saber que é possível corrigi-los entregando a declaração de substituição. Se entregares a nova declaração dentro do prazo legal, ou seja, até 30 de junho não terás de pagar coimas. E também ficarás livre de pagar multas se entregares as correções depois deste prazo desde que daí não resulte mais imposto a pagar ou a receber, tal como explicamos neste artigo.

Mas se desta nova declaração de IRS resultar um imposto superior ou reembolso inferior ao anteriormente apurado, os contribuintes devem estar atentos aos seguintes prazos. De acordo com o artigo 59.º do Código de Procedimento e de Processo Tributário (CPPT):

  • Nos 30 dias seguintes ao termo do prazo legal, seja qual for a situação da declaração a substituir;
  • Até ao termo do prazo legal de reclamação graciosa ou impugnação judicial do ato de liquidação, para a correção de erros ou omissões imputáveis aos contribuintes de que resulte imposto de montante inferior ao liquidado com base na declaração apresentada;
  • Até 60 dias antes do termo do prazo de caducidade da declaração anual de rendimentos (quatro anos), para a correção de erros imputáveis aos contribuintes de que resulte imposto superior ao anteriormente liquidado.

De notar que se o Fisco detetar erros ou inexatidões na declaração anual de rendimentos, os contribuintes podem ter de pagar uma coima entre 375 euros e 22.500 euros, de acordo com o artigo 119.º do Regime Geral das Infrações Tributárias (RGIT).

Serviço ao cliente é fator mais valorizado na compra de seguros

Portugueses e norte-americanos mostram-se mais satisfeitos com as suas seguradoras do que britânicos e os neozelandeses. Em Espanha, consumidores queixam-se de falta de comunicação das companhias. Fonte: Idealista News

Um inquérito junto de dois mil consumidores de seguros de não Vida, em diversos países, mostra que o serviço ao cliente é, para mais de 50% dos inquiridos o fator que mais pesa no momento de comprar um seguro do que, por exemplo, o preço que pagam pelo prémio.

Uma das conclusões do estudo é que a geografia tem influência na perceção que os segurados têm das suas seguradorasEm Portugal e nos EUA, os consumidores mostram-se mais satisfeitos com o tratamento das seguradoras do que os inquiridos no Reino Unido e na Nova Zelândia, comentou Karen Scott, Head of Insight na consultora Research in Finance.

Em Espanha, por exemplo, 95% dos consumidores de seguros queixam-se de falta de comunicação por parte das seguradoras, nomeadamente no acompanhamento de sinistros, e pedem que as companhias utilizem, por exemplo, os canais digitais para serem mais interativas na matéria. Globalmente, 37% dos consumidores consideram a experiência de compra de seguros como “muito boa,” mas a preferência pelo contacto personalizado sobrepõe-se à comunicação por email, página web ou através de chat, indica o relatório.

De facto, 64% dos espanhóis prefere contacto direto com um funcionário no momento de interagir com a seguradora. Para 53% dos inquiridos, o serviço ao cliente é o aspeto mais valorizado durante o processo de compra, seguindo-se “facilidade de compra” (22%) e “ausência de problemas” (12%). Sobre a falta de comunicação por parte das seguradoras, o estudo revela que 14% dos inquiridos, também no mercado espanhol, queixa-se de não receber informação a avisar da renovação da apólice e 1/3 dos respondentes disse não que não recebe notícias da seguradora durante um ano.

O estudo também sugere que as seguradoras aproveitem os recursos baseados em dados de forma mais eficiente. A tecnologia pode ajudar a melhorar canais de distribuição e criar interações que permitem antecipar as preferências dos clientes, nota.

Em relação a novos produtos, como é o caso dos seguros on demand (soluções desenhadas à medida, com coberturas flexíveis que podem ser ativadas ou desativadas conforme necessidade do cliente) que, considera o estudo, trata-se de oportunidade estratégica para o setor, 58% dos consumidores mostram-se interessados e o indicador sobe aos 77% entre os consumidores mais jovens.

Definições de Cookies

A EZATA pode utilizar cookies para memorizar os seus dados de início de sessão, recolher estatísticas para otimizar a funcionalidade do site e para realizar ações de marketing com base nos seus interesses.


Estes cookies são necessários para permitir a funcionalidade principal do site e são ativados automaticamente quando utiliza este site.
Estes cookies são necessários para permitir a funcionalidade principal do site e são ativados automaticamente quando utiliza este site.
Estes cookies são necessários para permitir a funcionalidade principal do site e são ativados automaticamente quando utiliza este site.

Cookies Necessários Permitem personalizar as ofertas comerciais que lhe são apresentadas, direcionando-as para os seus interesses. Podem ser cookies próprios ou de terceiros. Alertamos que, mesmo não aceitando estes cookies, irá receber ofertas comerciais, mas sem corresponderem às suas preferências.

Cookies Funcionais Oferecem uma experiência mais personalizada e completa, permitem guardar preferências, mostrar-lhe conteúdos relevantes para o seu gosto e enviar-lhe os alertas que tenha solicitado.

Cookies Publicitários Permitem-lhe estar em contacto com a sua rede social, partilhar conteúdos, enviar e divulgar comentários.