Tem até 31 de outubro para declarar o beneficiário efetivo da sua empresa

O E-Konomista avisa, se não o fizer arrisca-se não só a coimas pesadas, mas também ao bloqueio de fundos europeus. Além disso, fica sujeito à proibição da distribuição de dividendos.

Depois do prazo já ter sido estendido duas vezes, as empresas têm agora até ao dia 31 de outubro para efetuar o Registo Central do Beneficiário Efetivo (RCBE).

Aliás, as entidades sujeitas a registo comercial têm até ao final do mês de outubro para o fazer, enquanto as demais entidades sujeitas ao RCBE podem fazê-lo até ao dia 30 de novembro.

Quem não cumprir estes prazos fica sujeito a penalizações, nomeadamente:

  • O registo deixa de ser gratuito;
  • Coimas entre 1000 e 50.000 euros ( de acordo com o ponto 1 do artigo 6.º da Lei n.º 98/2017);
  • Proibição de celebrar ou renovar contratos de fornecimento, empreitadas de obras públicas ou aquisição de serviços e bens com o Estado, regiões autónomas, institutos públicos, autarquias locais e instituições particulares de solidariedade social maioritariamente financiadas pelo Orçamento do Estado. As empresas ficam, ainda, impedidas de renovar o prazo dos contratos já existentes;
  • Bloqueio de fundos europeus;
  • Proibição da distribuição de dividendos: talvez a penalização mais pesada. De acordo com a mesma lei, as empresas incumpridoras ficam proibidas de “distribuir os lucros do exercício ou fazer adiantamentos sobre lucros no decurso do exercício”.

Multa por falta de seguro? Não é o seu único problema!

Se foi sancionado com uma multa por falta de seguro, prepare-se porque a pancada é maior: com este artigo do E-konomista saiba que outras consequências ainda pode vir a sofrer.

Qualquer condutor sabe – porque é das primeiras coisas que se aprende na escola de condução – que todos os carros que circulam nas estradas portuguesas têm de estar cobertos por um seguro automóvel – caso contrário os proprietários são penalizados com uma multa por falta de seguro.

A multa, no entanto, não é meramente financeira, ou seja, o dinheiro não é a única coisa com que vai ter de se preocupar se conduzir um carro que circula ilegalmente. Saiba o que diz a lei e que consequências esperar se for apanhado em falta pela polícia.

DE QUANTO É A MULTA POR FALTA DE SEGURO?

Esta é, claro, a pergunta mais comum e a mais urgente. Se for apanhado a conduzir um carro que não está coberto por um seguro automóvel, incorre numa contraordenação grave e a multa vai dos 500 aos 1500 euros. Mas, como lhe dissemos, há mais “castigos” planeados.

QUE OUTRAS CONSEQUÊNCIAS HÁ ALÉM DA MULTA POR FALTA DE SEGURO?

Se for apanhado a conduzir um carro ilegal, além de ser autuado com uma multa por falta de seguro também fica sem o carro – é que, sem seguro, a viatura não pode circular nas estradas portuguesas, nem sequer para voltar para casa. Assim, se for apanhado a conduzir sem seguro, vai ter de chamar um táxi, porque a polícia vai apreender-lhe o carro no local.

Ainda a somar à multa por falta de seguro e à apreensão imediata do carro, há a contabilizar os pontos da carta. No regime recentemente implementado de pontuações, a contraordenação grave que é conduzir sem seguro leva à perda de dois pontos na sua carta de condução.

Sem pontos, sem carro e com uma multa para pagar, parece que já pouco há a piorar…mas ainda há: as autoridades podem determinar também que fica impedido de conduzir por um período que pode ir de um mês a um ano.

COMO É QUE A POLÍCIA SABE SE TENHO SEGURO OU NÃO?

Os condutores são legalmente obrigados a exibir no vidro frontal do carro o dístico do seguro automóvel – um quadrado de papel verde que tem o número da apólice, a matrícula do carro e o prazo de validade do seguro em vigor.

Este dístico é inspecionado pela polícia durante as operações STOP e até em patrulhas preventivas, e indica se o seguro está ativo ou não.

E SE TIVER SEGURO, MAS NÃO TIVER O DÍSTICO NO VIDRO?

A não exibição do dístico verde, mesmo que tenha um seguro automóvel ativo, também dá lugar a uma multa por falta de seguro. As consequências, contudo, podem ser aligeiradas (nomeadamente o valor da multa, que desce para metade) se conseguir fazer prova do seguro no local.

O QUE ACONTECE SE UM CONDUTOR QUE NÃO TEM SEGURO ME BATER NO CARRO?

Esta é a posição mais fácil em que pode estar num acidente em que um dos envolvidos não tem seguro: a de lesado. Como lesado, tem de chamar a polícia e pode recorrer ao Fundo de Garantia Automóvel (FGA), que vai pagar-lhe a indemnização que devia ser o seguro do outro condutor a pagar. Resumindo, nunca fica a perder.

E SE EU NÃO FOR CULPADO, MAS TAMBÉM NÃO TIVER SEGURO?

Se não for o culpado do acidente mas também não tiver o seguro em dia, pode preparar-se para pagar a multa por falta de seguro, porque o outro condutor vai ter de chamar a polícia para acertar as coisas. Além da multa, pode também sofrer todas as consequências enumeradas acima.

E SE EU NÃO TIVER SEGURO E FOR CULPADO PELO ACIDENTE?

Esta é a posição em que não quer mesmo estar. Circular sem seguro é ilegal, e provocar um acidente quando circulava sem seguro é uma péssima forma de começar uma conversa com as autoridades.

Se a culpa do sinistro for sua, vai pagar a multa por falta de seguro, ficar sem o carro e ser alvo de um processo de execução do Fundo de Garantia Automóvel – que vai pagar as indemnizações devidas aos lesados, mas depois vai atrás de si para tentar recuperar o dinheiro. Contas feitas, fica responsável por pagar os danos todos de todos os lesados e ainda leva uma multa.

O cenário, que já é negativo, ainda pode piorar mais: se do acidente resultarem feridos graves ou mortos, há lugar a um processo de responsabilidade judicial. Entre outras coisas, pode ser acusado de conduzir sem seguro, de negligência e de ofensa corporal grave (ou até homicídio), e vai ser preciso algum esforço para escapar a uma pena de prisão efetiva.

Nova figura fiscal: Defensor do Contribuinte

Como atua e quais os objetivos deste novo cargo. Com este artigo do E-Konomista irá ficar a saber qual o papel do Defensor do Contribuinte e em que situações pode recorrer a ele.

Aquela queixa tão típica dos portugueses de que não têm a quem queixar-se quando têm problemas com as Finanças tem os dias contados: o Estado criou uma nova figura dentro do Ministério só para ouvir e atender os contribuintes em apuros.

O cargo é uma espécie de Defensor do Contribuinte, um nome autoexplicativo que reflete a vontade do Fisco de se aproximar da população.

O QUE FAZ O DEFENSOR DO CONTRIBUINTE

O Defensor do Contribuinte é em tudo semelhante a um provedor: existe para atender, ouvir e tentar resolver as reclamações dos contribuintes antes que elas avancem para litigioso.

A ideia é que o Fisco passe a ter uma identidade, ou uma “cara”, se assim quisermos. Em caso de dúvidas ou de conflitos com a Autoridade Tributária, os contribuintes procuram o Defensor do Contribuinte e expõem a situação. Caberá a este defensor, depois, procurar a informação necessária para esclarecer os portugueses ou interceder junto da Autoridade Tributária para resolver a situação com a maior brevidade.

A NECESSIDADE DE EXISTIR UM DEFENSOR DO CONTRIBUINTE

António Mendonça Mendes, secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, garantia, no momento de divulgação do novo cargo, que o Ministério não recebe assim tantas queixas dos contribuintes em relação à Autoridade Tributária, mas admite que é necessária uma aproximação desta instituição à população em geral.

Por um lado, é necessário ajudar os contribuintes a compreenderem as comunicações que recebem e os processos que têm de concretizar para cumprir voluntariamente as suas obrigações fiscais; por outro lado, é necessário evitar o avanço para contencioso de situações que podiam ser resolvidas informalmente e de forma mais célere, por acordo entre as partes.

QUEM VAI SER O DEFENSOR DO CONTRIBUINTE

Nuno Félix foi o nome escolhido pelo Governo para ocupar a nova função de subdiretor-geral para a relação com os contribuintes, cargo que exerce desde o início do mês de agosto. Jurista de formação e diplomata, o defensor do contribuinte promete apoiar os contribuintes no cumprimento das suas obrigações fiscais, mas não hesitar no combate à fraude e evasão.

A nova figura do Fisco surge em paralelo com a criação de um serviço de apoio e defesa do contribuinte, que melhore os canais de comunicação com os cidadãos, simplifique a linguagem fiscal e contribua para desfazer a imagem da Autoridade Tributária de entidade distante e pouco tolerante.

Este serviço será responsável por analisar de forma integrada os vários tipos de atendimento (presencial, e-balcão e atendimento telefónico), fazer o tratamento das queixas e dar resposta às situações concretas dos contribuintes.

OS OBJETIVOS DO DEFENSOR DO CONTRIBUINTE

Ao serviço desde 8 de agosto, o novo Defensor do Contribuinte terá como principais objetivos a comunicação e simplificação da relação da AT com os contribuintes, evitando que eventuais conflitos evoluam para situações de litígio.

SIMPLIFICAÇÃO

Espera-se que a figura do Defensor do Contribuinte, bem como o novo serviço de apoio e defesa, contribuam a simplificar as comunicações da Autoridade Tributária, ajudando os cidadãos a entender as mensagens que recebem e as indicações que lhes são dadas.

AUMENTO DO CUMPRIMENTO VOLUNTÁRIO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS

Não sendo expectável que o Defensor do Contribuinte persiga os portugueses que não pagam impostos, o que se pretende com a criação desta nova figura é auxiliar os contribuintes a pagar, voluntariamente, todos os impostos devidos devidos. A ideia é que a falta de informação já não seja um motivo para falhar com as obrigações fiscais.

APROXIMAÇÃO DA POPULAÇÃO

Mais do que qualquer outra coisa, o Defensor do Contribuinte vai emprestar um rosto à Autoridade Tributária. Tal como um provedor, vai ser o ponto de contacto entre os contribuintes e o Fisco, vai receber as queixas e analisá-las, vai tentar resolver da melhor forma possível os conflitos existentes, garantindo a satisfação das necessidades tanto dos contribuintes como do Estado.

REDUÇÃO DE LITÍGIOS

Se fizer bem o trabalho de aproximação dos contribuintes e de simplificação da informação fiscal, o Defensor do Contribuinte deverá também contribuir para a redução dos litígios entre a Autoridade Tributária e os contribuintes.

O objetivo é que, graças à intervenção quer do Defensor do Contribuinte, quer do serviço de apoio e defesa, muitos conflitos entre os cidadãos e o Fisco sejam resolvidos internamente e por acordo entre as partes.

A resolução rápida e simples dos conflitos previne e ajuda a reduzir os litígios, o que representa um ganho para todos. Estado e contribuinte não se vêem envolvidos num processo que se pode arrastar durante anos com as despesas judiciais normalmente associadas, e nos tribunais evita-se a sobrecarga de processos que, afinal, podiam ter sido resolvidos de forma mais fácil se a Autoridade Tributária tivesse alguém para interceder pessoalmente.

O que é o Copagamento no seu seguro? E a franquia?

Num seguro, o copagamento corresponde ao valor que fica a cargo do segurado. E a franquia? Descubra como funciona e como deve escolher o melhor seguro com este artigo do E-Konomista.

O copagamento é usual nos seguros, mas não só. Em muitos serviços públicos como é o caso da saúde, tendo ou não seguro, quando que se dirige a um hospital público ou centro de saúde para ter uma consulta, há uma taxa moderadora a pagar, que fica a seu cargo. Essa taxa é um exemplo de copagamento que lhe é exigida pela utilização de determinados serviços.

O QUE É O COPAGAMENTO?

Num seguro de saúde, o copagamento corresponde assim ao valor que fica a seu cargo quando vai a uma consulta, fazer um exame ou um tratamento médico, dentro da rede convencionada. O seguro paga uma parte do valor da consulta ou ato médico e o restante fica a seu cargo. Qual a vantagem? Não tem que pagar a totalidade do valor da consulta, exame ou tratamento.

COMO FUNCIONA O COPAGAMENTO?

O valor que fica a seu cargo depende do tipo de seguro que tem. Nas apólices dos seguros estão definidas as modalidades de pagamento. Existem três: de reembolso, de assistência (co-pagamentos na rede convencionada) ou mista.

Em qualquer uma delas, o cliente paga mensalmente ou anualmente o prémio do seguro. Depois, de cada vez que utiliza um serviço, paga uma parte da despesa através de um co-pagamento ou reembolso, consoante seja atendido dentro ou fora da rede de cuidados médicos da seguradora.

Numa consulta de especialidade dentro da rede que custe, por exemplo, 40 euros poderá pagar apenas 20 euros. O mesmo em relação a atos médicos. O valor a pagar depende, contudo, do tipo de seguro e da respetiva modalidade que escolhe.

PORQUE EXISTEM ESTES MONTANTES?

O utente de determinado serviço assume uma responsabilidade ao fazer um copagamento cada vez que utiliza um serviço. Afinal, está a gastar dinheiro mesmo que, em alguns casos, sejam valores baixos.

Ainda assim, esta quantia que fica a seu cargo pode evitar que caia na tentação de utilizar os serviços de forma abusiva e indiscriminada. Pode ainda dissuadi-lo de ter comportamentos mais arriscados. Mas também tem vantagens para o cliente: o copagamento contribui para evitar que o prémio do seguro aumente.

COPAGAMENTO E FRANQUIA SÃO A MESMA COISA?

Por vezes os conceitos de copagamento e franquia podem ser confundidos, mas não são a mesma coisa.

franquia corresponde ao montante estabelecido numa das cláusulas de apólice que define o valor até ao qual o segurador não se responsabiliza pelo prejuízo. Este valor corresponde à parte do risco que fica a cargo do tomador de seguro.

A franquia pode ser definida numa determinada quantia, percentagem ou número de dias. Se as despesas forem inferiores ou iguais ao montante definido no contrato respeitante ao valor da franquia, cabe à pessoa segura assumir essas despesas. Só quando forem superiores ao valor da franquia é que a seguradora cobre as restantes despesas até ao montante do capital seguro.

Num seguro de saúde, porém, a franquia e o copagamento são termos que muitas vezes se equivalem.

Por copagamento entendem-se as quantias que ficam a cargo do segurado e dizem respeito a tratamentos dentro da rede de cuidados da seguradora.

Por sua vez, a franquia – tal como no copagamento – refere-se ao valor a pagar pelo segurado, mas neste caso, quando recorre a serviços de saúde fora da rede de prestadores de cuidados da seguradora, entrando na modalidade de reembolso. Neste caso, as despesas são pagas na totalidade pela pessoa segura e depois comparticipadas e reembolsadas pelo segurador.

Nos seguros de saúde, as franquias são normalmente definidas por ato médico (por exemplo, o cliente paga os primeiros 100€ em caso de internamento). Mas também podem ser anuais (a pessoa só paga os primeiros 50€ em despesas de medicina dentária daquele ano, as restantes cabem à seguradora).

O COPAGAMENTO IMPORTA, MAS NÃO É TUDO

Na escolha de um seguro, nem só os montantes que ficam a seu cargo contam. Importa também estar atento a outras variáveis. Lembre-se que copagamentos mais baixos podem implicar prémios de seguro mais elevados e que os prémios de seguro aumentam com a idade.

MODALIDADES E ESPECIALIDADES ABRANGIDAS PELO SEGURO

Há modalidades de seguros oferecidos por uma mesma seguradora que diferem em função das especialidades que abrangem e do teto máximo de comparticipação de que pode vir a usufruir.

Quanto maior for o número de especialidades abrangidas e o teto de comparticipação, maior será o prémio mensal ou anual do seguro que vai ter que pagar. Por exemplo, se for adepto de medicinas alternativas como a osteopatia ou a acupuntura, são raros os casos em que estes tratamentos são comparticipados pelos seguros.

REDE DE PRESTADORES CONVENCIONADOS

Além das especialidades abrangidas, outro ponto a não esquecer é a rede de convencionada, ou seja, as entidades com as quais a sua seguradora tem acordos.

Se tiver acordo, o segurado só paga uma pequena quantia (copagamento); se não tiver acordo, terá que pagar as despesas correspondentes aos serviços de saúde de que usufruiu (franquia) e esperar depois pelo reembolso da companhia de seguros. Geralmente, a parcela que fica a cargo da pessoa segura costuma ser mais elevada nesta segunda modalidade.

MONTANTES DA FRANQUIA

É importante também estar atento aos montantes das franquias que, normalmente, nos seguros de saúde estão definidas por ato médico. No entanto, alguns definem apenas uma franquia anual para todas as despesas. Deve comparar os valores e as diferentes opções oferecidas pelas companhias de seguros e decidir o que é mais vantajoso no seu caso.

Ativos e passivos: o que são e como influenciam as suas finanças

Distinguir ativos e passivos é fundamental para entender e controlar as suas finanças. Descubra com este artigo do e-Konomista o que são e como se classificam.

Os ativos e passivos fazem parte da contabilidade de uma empresa e, juntamente com o capital próprio, permitem ter uma fotografia da empresa em determinado momento. A essa fotografia os contabilistas chamam balanço e é um dos documentos contabilísticos que permite avaliar como está a empresa.

Mas não são apenas as empresas que têm ativos e passivos. Estas categorias contabilísticas também estão presentes na vida de todos nós. Tomemos por exemplo as contas bancárias: do lado dos ativos estão ações e outras aplicações que geram rendimento; do lado dos passivos estão as dívidas e pagamentos.

O QUE É UM ATIVO?

Para uma empresa, o ativo corresponde ao lado esquerdo do balanço e é constituído pelo património da empresa. É composto por bens como: o dinheiro, imóveis, equipamentos e mercadorias.

Para cada pessoa singular o ativo representa o dinheiro que tem disponível e tudo o que lhe permite gerar rendimento: ações, juros de depósitos a prazo e de obrigações, rendas de imóveis arrendados.

Se for cientista ou investigador o conhecimento científico também é um ativo e aqui inserem-se patentes e direitos de autor. Estes últimos correspondem aos ativos intangíveis por serem ativos não materiais.

Os ativos podem também ser propriedades, casas ou terrenos que estejam aptos para poderem ser convertidos em meios monetários.

OS ATIVOS GERAM RIQUEZA

Os ativos são considerados investimentos que contribuem para aumentar o poder de aquisição de determinada empresa. Os melhores ativos são os que são mais rentáveis, ou seja, aqueles que geram mais dinheiro com os menores custos e sacrifício.

PRINCIPAIS GRUPOS DE ATIVOS

Ativos circulantes: referem-se aos rendimentos de curto prazo, ou seja, os que geram dinheiro por um período inferior a um ano. No caso das empresas, as mercadorias e os stocks, por exemplo, são ativos circulantes. No caso dos particulares, o dinheiro que que cada pessoa tem no banco na sua conta à ordem é também um ativo circulante.

Ativos não circulantes: correspondem aos ativos de médio e longo prazo e que permanecem na esfera das empresas ou das pessoas singulares, por um período superior a um ano. É nesta categoria de mais longo prazo que se inserem os bens móveis, como equipamentos e veículos. O computador que utiliza para trabalhar insere-se nesta categoria.

EXEMPLOS DE ATIVOS

Há uma vasta lista de ativos que, sejam de curto ou longo prazo, tangíveis ou intangíveis são meios de gerar dinheiro. Há ainda os ativos que permitem gerar ganhos só uma vez, como a venda de um imóvel, e outros que o permitem periodicamente, como o arrendamento, que gera rendimentos ao longo do tempo.

Estes são alguns exemplos de ativos:

  • Títulos financeiros (como ações);
  • Imóveis;
  • Mercadorias;
  • Direitos de autor e patentes;
  • Pesquisa científica ou tecnológica;
  • Terrenos;
  • Ouro.

O QUE É UM PASSIVO?

Os passivos, juntamente com o capital próprio, correspondem ao lado direito do balanço e representam as fontes de financiamento da empresa, ou seja, os valores que financiaram o ativo.

O mesmo no caso das pessoas singulares. Contraiu um empréstimo para comprar a sua casa? Então tem uma dívida para com o banco, que para si representa uma obrigação, um custo. As prestações do cartão de crédito, a conta da água e da luz ou os impostos são outro exemplo do que podem ser os nossos passivos.

OS PASSIVOS GERAM DESPESA

Os passivos contribuem para diminuir o poder de aquisição do investidor ou da empresa, contrariamente ao ativo. Os piores passivos são os que geram maiores despesas com o menor valor investido. Por exemplo, um empréstimo com uma taxa de juro alta.

PRINCIPAIS GRUPOS DE PASSIVOS

Passivos de curto prazo: são as obrigações que a empresa ou pessoa singular possui a curto prazo, registadas e pagas em menos de 12 meses, e que possuem um fluxo dentro deste prazo. Por exemplo, as dívidas com fornecedores, que são passivos constantes em registos e pagamentos.

Passivos de longo prazo: são os registos das obrigações que a empresa ou pessoa singular possui a longo prazo, e que levam mais tempo a serem pagas, como empréstimos que são pagos aos bancos por mais de um ano.

EXEMPLOS DE PASSIVOS

  • Juros de empréstimos;
  • Contas a pagar como água, eletricidade e dívidas a fornecedores ou ao Estado;
  • Impostos;
  • Hipoteca;
  • Carro para deslocação própria;
  • Casa para habitação própria.

DIFERENÇAS ENTRE ATIVOS E PASSIVOS

Em termos simples, os ativos são elementos geradores de riqueza, ao passo que os passivos geram despesa.

A principal diferença entre os ativos e passivos está nos fluxos monetários a que dão origem. Enquanto osativos estão associados a meios de gerar rendimento, os passivos representam saídas de dinheiro através dos gastos e das despesas que a empresa ou a pessoa singular faz no decorrer da sua atividade.

Por exemplo, pedir empréstimos para financiar a sua atividade e a aquisição de ativos – que pode ser a compra de um carro mais recente para se deslocar mais depressa ou de uma máquina mais moderna para produzir maiores quantidades e/ou com maior economia de recursos.

PORQUE É IMPORTANTE CONHECER OS SEUS ATIVOS E PASSIVOS?

Conhecer e delimitar claramente quais são os seus ativos e os passivos ajuda-o a tomar decisões de investimento. Mas antes importa saber o peso que os ativos e os passivos têm na sua contabilidade pessoal, para poder avaliar se o investimento será vantajoso.

Por exemplo, terá que avaliar todos os custos e rendimentos que terá com determinado investimento e se o investimento não apresenta rendimento positivo a curto prazo e tiver elevados custos, poderá ter que enfrentar turbulências financeiras no curto e médio prazo.

UM CARRO OU UMA CASA SÃO PASSIVOS?

Depende do seu fim. Um carro ou uma casa podem ser um passivo quando se destinam ao uso próprio, uma vez que há diversas despesas associadas como combustível, impostos ou manutenção.

Mas se a viatura é utilizada para fins comerciais e gera retorno financeiro ou se a casa é está arrendada e gera entradas de dinheiro, então ambos são considerados ativos nesta segunda perspetiva.

No caso do imóvel, mesmo se a casa valorizar, não deve ser vista como um ativo. Só deve ser considerada um ativo se houver a intenção de vender.

Definições de Cookies

A EZATA pode utilizar cookies para memorizar os seus dados de início de sessão, recolher estatísticas para otimizar a funcionalidade do site e para realizar ações de marketing com base nos seus interesses.


Estes cookies são necessários para permitir a funcionalidade principal do site e são ativados automaticamente quando utiliza este site.
Estes cookies são necessários para permitir a funcionalidade principal do site e são ativados automaticamente quando utiliza este site.
Estes cookies são necessários para permitir a funcionalidade principal do site e são ativados automaticamente quando utiliza este site.

Cookies Necessários Permitem personalizar as ofertas comerciais que lhe são apresentadas, direcionando-as para os seus interesses. Podem ser cookies próprios ou de terceiros. Alertamos que, mesmo não aceitando estes cookies, irá receber ofertas comerciais, mas sem corresponderem às suas preferências.

Cookies Funcionais Oferecem uma experiência mais personalizada e completa, permitem guardar preferências, mostrar-lhe conteúdos relevantes para o seu gosto e enviar-lhe os alertas que tenha solicitado.

Cookies Publicitários Permitem-lhe estar em contacto com a sua rede social, partilhar conteúdos, enviar e divulgar comentários.